terça-feira, 28 de abril de 2009

PH "JEANNE D'ARC"









Tive o prazer de pilotar a mais antiga unidade da Marinha Francesa no activo, o navio Cruzador Porta-Helicópteros "JEANNE D'ARC" naquela que será a sua última visita ao Porto de Lisboa.

4 comentários:

barconauta disse...

Fantástico mesmo! um navio espectacular apesar de eu não gostar de navios militares, gostei bastante de ver este e fotografá-lo também!

Anônimo disse...

Qual é a tarefa do piloto da barra a bordo? è o piloto que na pratica faz a manobra ou e o comandante do navio? abraço

Anônimo disse...

ou o piloto so faz comunicacao com terra e com o comandante?
não toca em nada "na fisica" pois nao?

ncm disse...

O Piloto presta assistência técnica aos comandantes das embarcações nos movimentos de navegação e manobras na águas sob soberania e jurisdição nacionais, de modo a proporcionar que os mesmos se processem em condições de segurança.

A forma como é prestada a assitência pode variar muito de acordo com várias condicionantes. No entanto é possivel generalizar a actuação do Piloto nos dois casos mais frequentes:

No primeiro caso, tratando-se de embarcações de dimensões muito reduzidas ou equipadas com sistemas auxiliares de manobra muito evoluidos e nas quais o Comandante se sente muito confortável o Piloto presta as informações necessárias ao Comandante para este conduzir a manobra em segurança.

No segundo caso em que se trata de navios de grandes dimensões onde é necessário a utilização de rebocadores ou onde a pilotagem é efectuada desde ou até Cascais, o Comandante normalmente delega no Piloto a condução da manobra sendo certo que poderá re-assumir a condução da mesma em qualquer momento visto a presença do Piloto não o isentar da sua responsabilidade enquanto Comandante da embarcação.

A título de curiosidade posso adiantar que a manobra de atracção deste navio foi inteiramente conduzida por mim, visto ter utilizado dois rebocadores e o Comandante não conhecer o local onde se desenrolou a manobra. Nestes casos é dever do Piloto manter o Comandante devidamente informado das acções que estão a ser tomadas de forma a que este se sinta o mais confortável possivel.